sábado, 23 de dezembro de 2017

Dia 23 # Calendário Literário do Advento 2017 | "2 Histórias de Natal", de Alice Vieira



Ficha Técnica:

Título: 2 Histórias de Natal
Autor(a): Alice Vieira
Editora: Caminho
Edição ou Reimpressão: 2006
Temática/Género: Literatura/Literatura Juvenil
N.º de Páginas: 38 páginas


Sinopse:
Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado para apoio a projetos relacionados com o Natal nos 3º, 4º, 5º e 6º anos de escolaridade.

Uma criança não quer acreditar que o Pai Natal não existe, como os pais lhe querem fazer crer. Um Pai Natal que acha que também tem direito a receber presentes. São duas histórias de Alice Vieira, com belíssimas ilustrações de João Caetano, para oferecer aos mais pequenos (e que os graúdos também vão gostar de ler) neste Natal.

«Quando o despertador tocou, a casa inteira parecia ainda adormecida. Lavínia sentou-se na cama e, de repente, lembrou-se que o Natal estava à porta.
"Meu Deus", exclamou, "tanta coisa para fazer e eu aqui deitada!"
Não tardaria a ver a Mãe chegar a pedir-lhe o pequeno-almoço, ou o Pai a resmungar porque queria ter ficado mais tempo na cama. "Adultos...", pensou, "é preciso ter muita paciência com eles..."
A Mãe andava agora com aquela mania de que o Pai Natal não existia!
Lavínia sorrira, e cheia de boa vontade lá lhe explicara que isso era mentira, que ela não devia acreditar em tudo o que lhe diziam no emprego.
O emprego era para onde Lavínia levava a Mãe e o Pai todos os dias. Lá estavam outros adultos, e todos brincavam muito uns com os outros, até que chegava o momento de voltarem para casa. Depois era a hora de tomar banho, Lavínia contava-lhes uma história e eles adormeciam.
Mas nestes últimos tempos, com o Natal à porta, andavam muito excitados.
— O Pai Natal não existe. Eu sei — dizia a Mãe.
— O Pai Natal é mentira. Toda a gente sabe — dizia o Pai.
Então Lavínia, cheia de paciência, contava-lhes a história verdadeira do Pai Natal, e todo o trabalho que ele tinha na noite de 24 de Dezembro, para escorregar pelas chaminés abaixo e deixar, na cozinha de cada criança, aquilo que cada criança tinha pedido.
— E como é que ele cabe na chaminé? — perguntava a Mãe.
— Não se está mesmo a ver que é mentira? — dizia o Pai.
Lavínia sorria, sorria sempre. Eram tão engraçados, os adultos! O pior é que o tempo passava muito depressa. Não tardariam a ficar crianças, e então perdiam a graça toda. Era aproveitar agora. [...]».


Mais informações sobre o livro aqui


Boas leituras.



2 comentários:

  1. Vim aqui só para dizer que tem uma capa maravilhosa. =) Feliz Natal, Isa.**

    ResponderEliminar