quarta-feira, 29 de março de 2017

Receitas | "Dieta à Sua Medida", de Maria João Ibérico Nogueira


Há uns tempos atrás partilhei convosco a minha opinião sobre este livro fantástico de receitas. É um livro de dietas, mas não um livro de dietas normal. São receitas adaptadas e personalizadas a cada pessoa e a cada gosto. Podemos alternar entre 4 tipos de regimes alimentares: 

  • Dieta vegetariana;
  • Dieta sem lactose e sem glúten;
  • Dieta hiperproteica;
  • Dieta mediterrânea. 

Hoje trago-vos 2 receitas da Dieta sem lactose e sem glúten (a minha preferida até agora):
  • Bacalhau no forno em marinada de mel;
  • Pão de Banana.

O meu plano seria seguir estes planos alimentares "religiosamente". Contudo, por questões familiares não é possível, nem sempre consigo fazer o que planeio.

Durante as próximas semana irei apresentar mais sugestões dos restantes planos alimentares, para que possam ter uma ideia.

Em relação às receitas apresentadas foram um sucesso cá em casa. O bacalhau, para o mais novo, é um alimento particularmente difícil, mas acreditem que esta receita facilita. Fica com um sabor delicioso a mel e muito mais apelativo para todos. Aprovado!!

O pão de banana já se tornou habitual todas as manhãs e não pode faltar! Faço todas as semanas. Para além de ser muito mais saudável, ainda consigo poupar. Fantástico, certo?

Deixo-vos as receitas e as fotos para vos abrir o apetite. 



Bacalhau no forno em marinada de mel







Pão de Banana








E vocês? Já provaram alguma destas receitas?

Boas leituras e bom apetite!

terça-feira, 28 de março de 2017

Divulgação | Lançamento do Livro "Lágrimas de Sal", Pietro Bartolo e Lidia Tilotta | Editora Objectiva


No dia 30 de Março às 19h vai decorrer no Espaço Nimas o lançamento do livro Lágrimas de Sal. Pietro Bartolo é médica há 25 anos. Neste livro relata-nos o testemunho de histórias de emigrantes que chegam a Lampedusa. Histórias de esperança, de dor, de sofrimento de quem chega sonhando com uma vida melhor.

Após o lançamento será exibido o documentário Fogo no Mar, em que Pietro Batolo é também protagonista. Um filme vencedor do prémio Urso de Ouro do Festival de Cinema de Berlim 2016. 

A entrada tem o valor de 5 €.





Não tem planos para quinta-feira?! Agora já tem. 

Boas leituras.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Passatempo de Primavera # 2 | "A Célula Adormecida", de Nuno Nepomuceno | Topbooks

O autor Nuno Nepomuceno gentilmente ofereceu o seu último livro A Célula Adormecida, para passatempo aqui no blogue. Em breve irei ler o livro e partilhar opinião.

Para mais informações sobre o livro veja aqui

Para participarem só têm que responder ao formulário e cumprir todas a regras de participação. O passatempo vai decorrer até ao dia 30 de Abril, às 23h59m. Para responder às questões do formulário ver o site da editora

Boa sorte a todos!

Regras de Participação:
1. Só será permitida uma participação por pessoa;
2. É obrigatório ser seguidor público do blogue e fazer partilha do passatempo apenas no Facebook ;
3. É obrigatório colocar "Gosto" na Página de Facebook do autor Nuno Nepomuceno e na página do blog "Jardim de Mil Histórias";
4. O livro será enviado pelo autor e não se responsabiliza por extravios dos CTT;
5. O vencedor será escolhido através do Randon.org;
6. O vencedor será anunciado aqui no blogue e contactado para o e-mail referido no questionário;
7. Apenas serão aceites participações com moradas de Portugal Continental e Ilhas.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Histórias: Acontece | "Sala de Leitura Feminina": do espaço público para a Biblioteca (Pública do Porto, 1945-53) | Biblioteca Nacional, Lisboa, 9 Março 2017





No passado dia 9 de Março, Dia Internacional da Mulher assisti a uma conferência na Biblioteca Nacional, "Sala de Leitura Feminina: do espaço público para a biblioteca (Biblioteca Municipal do Porto - 1945-53)", por Paula Sequeiros (Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra).



Sala de Leitura Feminina, sem data,  Estúdio Alvão, Ref. ALV004609, CPF/DGAR/ MC

A existência de uma sala de leitura exclusivamente feminina nas bibliotecas nos dias de hoje parece impossível e estranho. Mas foi uma realidade entre 1943 e meados de 1953. Havia uma segregação de espaços. Houve necessidade, naquela altura, de haver um espaço destinado às mulheres com o intuito de não distrair os homens. As mulheres eram um factor de distracção para os homens e não se misturavam com eles no mesmo espaço. 

Esta era a realidade. Contudo, pode pensar-se que esta realidade só acontecia em Portugal. Mas em Inglaterra existiam, também salas de leitura em muitos espaços públicos: estações de caminho-de-ferro, nos portos e muitos locais. Não era uma realidade exclusivamente portuguesa.

Naquela altura a mulher era alvo de invisibilidade social, com pouco (ou nenhum) estatuto social. Contudo, começa a adquirir um novo papel enquanto leitora, mais activa e presente nestes espaços.

A sala de leitura feminina da Biblioteca Municipal do Porto existiu até meados de 1953. A partir de 1960 existiram, na sala de leitura geral, espaços específicos para as mulheres leitoras. Não se sabe a razão pela qual deixou de existir este espaço na biblioteca.

Mas era um passo. Um passo para a emancipação das mulheres, não só enquanto cidadãs, mas enquanto leitoras.

Assistir a esta conferência foi uma experiência gratificante, especialmente num dia importante enquanto mulher. Gostei da simpatia e dos discurso da oradora, Paula Sequeiros. Desertou-me mais curiosidade para a questão da mulher leitora e da seu papel na sociedade.

É cada vez mais importante este tipo de eventos. Não só para despertar consciências, mas para a nossa aprendizagem enquanto cidadãos. Lembrar a nossa história para que ela não morra nunca.

Boas leituras. 

quarta-feira, 22 de março de 2017

Opinião | "Tudo por uma boa história", de Anabela Natário, Sofia Branco e Isabel Nery


Título: Tudo por uma boa história
Coordenação: Anabela Natário, Sofia Branco e Isabel Nery
Editora: Esfera dos Livros
N.º de Páginas: 192 páginas
Edição: 2017
Temática/Género: Não Ficção / Jornalismo e Comunicação

Classificação: 4,5 estrelas

Sinopse:
Como são preparadas as reportagens? Como são sentidas pelos repórteres? Que contrariedades enfrentam? Vinte e quatro jornalistas de várias gerações oferecem-nos um relato vivo sobre o que acontece no terreno, dando-nos a conhecer melhor uma profissão que, numa época de informação fácil e barata, mas ao mesmo tempo tão perigosamente manipulável, nunca foi tão importante para a democracia. José Pedro Castanheira conta-nos como descobriu num português um dos primeiros terroristas recrutados pela Al Qaeda provando que um jornalista está disposto a ir até ao fim do mundo por uma boa história. Cândida Pinto recorda como, na Líbia em 2011, dispensar o colete antibala, num dia em que os termómetros atingiam os 40 graus, lhe podia ter custado a vida. Será sempre difícil explicar a um irmão (como tentou Sofia Lorena), ou a qualquer outra pessoa, porque é que o jornalista tem de correr para os lugares de onde todos os outros fogem. A única resposta é: por ser jornalista. Vítor Serpa devia ter sido "apenas" o correspondente que cobria as provas de natação na Argentina, em 1982, mas acabaria a reportar o ambiente de guerra criado pelo conflito entre a Argentina e o Reino Unido por causa das Malvinas. As fotografias de Mário Cruz, vencedor do World Press Photo, atestam o tanto que uma boa reportagem tem a fazer pelo mundo. Por sua conta e risco, registou as crianças acorrentadas no Senegal. O que gravou com a sua máquina fotográfica serve hoje para o governo combater este tipo de opressão. Tudo por Uma Boa História é uma travessia original pelo que de melhor se faz no jornalismo em Portugal. O leitor encontrará aqui dúvidas, angústias, medos, mas também conquistas, prazer e sabedoria, pela voz dos que vivem de contar o mundo aos outros.


Opinião:
Gosto de histórias. Contadas através do livro, da rádio ou da televisão. Histórias são histórias. Sempre me despertou alguma curiosidade em saber como as histórias que lemos ou vemos na televisão feitas. Como são preparadas as reportagens e o que sentem os repórteres.  

Este é o meu tipo de leituras. O que acontece por detrás da história. Um livro de não-ficção de confidências e relatos de alguns jornalistas portugueses que vivenciaram. Tudo para contar e partilhar uma história.

São 12 experiências que estes jornalistas aceitaram partilhar com o público. Este livro levanta questões e faz-nos pensar. Na ética da nossa profissão, em quando os sentimentos são mais fortes do que essa mesma ética profissional, nas fontes que os jornalistas confim para contar uma história, nos perigos que enfrentam para testemunhar algo importante para a história mundial ou nacional, mas também quando deixam passar uma boa história simplesmente porque sim...e o momento passa. 

As histórias não se repetem. Existem outras. Muitas mais. Gostamos de as ler, de as conhecer. Mas é bom saber como elas são contadas, com todo o profissionalismo e seriedade possível. 

Este livro é muito bom pelo seu todo. Jornalistas diferentes implica estilos e histórias diferentes. Não criamos empatia com algumas em particular. Mas ficamos felizes por perceber que há bons profissionais que fazem tudo por uma boa história. 

Recomendo!



Nota:
Este livro foi-me disponibilizado pela editora Esfera dos Livros em troca de uma opinião honesta.

Para mais informações sobre o livro ver aqui.



terça-feira, 21 de março de 2017

Opinião | "Passagens", de Teolinda Gersão


Título: Passagens
Autor(a): Teolinda Gersão
Editora: Sextante Editora
N.º de Páginas: 184 páginas
Edição: 2014
Temática/Género: Romance

Classificação: 4 estrelas


Excerto:
«Os segredos das famílias. As mentiras, as histórias falsas, que dão origem a memórias falsas.
Os grandes erros que alguém comete, e são pagos pelas gerações seguintes. Mesmo que se queira apagá-los, silenciá-los, estão lá. E voltam à superfície para serem pagos.»



Opinião:
Conheci a autora Teolinda Gersão numa das sessões da Viagem Literária da Porto Editora em 2016. Gostei da maneira como falava, das suas conversas, das suas histórias. Empatia à primeira vista. E decidi que iria ler alguns livros da autora. Queria conhecer a sua escrita.

Desconhecia totalmente esta história. Fui ao encontro do desconhecido. Ultimamente é assim que gosto de partir para uma leitura. Um romance sobre uma família contado a várias vozes. Gostei da estrutura. Permitiu-nos conhecer todos os pensamentos de cada personagem. 

Uma história sobre a família, os segredos, as desilusões, as aventuras. Muito bem escrito, com algumas passagens hilariantes, mas com a brutalidade da vida real. Um livro sobre a nossa passagem pelo mundo. Uma reflexão em jeito de romance.

Recomendo.

domingo, 19 de março de 2017

Divulgação | "Depois de Hitler - Os últimos dias da Segunda Guerra Mundial na Europa", de Michael Jones | Editorial Bizâncio



Sobre o livro:

No dia 30 de Abril de 1945, Adolfo Hitler suicidou-se. No dia seguinte, Joseph Goebbels, o seu ministro da Propaganda também se matou, e o Terceiro Reich, em derrocada, ficou entregue ao almirante Karl Dönitz. A situação dos nazis parecia desesperada. No entanto, surpreendentemente, a guerra no resto da Europa continuou por mais dez dias.


Depois de Hitler aborda estes dias numa narrativa em contagem decrescente, dia-a-dia, mas enquadra-os igualmente na história global mais vasta de uma guerra europeia que assistira a algumas das batalhas mais ferozes da História. As relações entre os «Três Grandes» - Estados Unidos, Grã-Bretanha e União Soviética - quase atingiram, subitamente, o ponto de ruptura. Este livro revela-nos essa história turbulenta.



Aborda ainda o pano de fundo da guerra e a terrível catástrofe humanitária que não foi publicamente conhecida na Europa. Fala-nos dos que sentiram a alegria da liberdade, bem como dos que enfrentaram um futuro de grandes incertezas. Quando os soldados do Exército Vermelho juntaram as suas forças às dos aliados britânicos e americanos, o Leste de Estaline enfrentou finalmente o Ocidente de Churchill e Truman. Depois de Hitler narra-nos a desconfiança crescente entre eles, mas também momentos de extraordinária boa vontade e cooperação - a esperança, breve mas tocante, de que estas grandes nações poderiam construir um futuro novo e mais seguro. Este livro é uma exploração fascinante do período curto mas crucial que iria dar forma ao mundo que emergiu do pós-guerra.



Sobre o autor:

Doutorado em história pela Universidade de Bristol, foi professor nas Universidades de South West England, Glasgow e Winchester College. 


Membro da Royal Historical Society e da Comissão Britânica de História Militar, é especialista na II Guerra Mundial e autor de vários livros, que baseia em poderosos depoimentos de testemunhas oculares, e nos quais dá especial relevo à história humana por trás das batalhas e campanhas. 



Dedica-se actualmente à escrita e é consultor histórico para os media e apresentador. 



Escreveu sobre as batalhas de Bosworth, Agincourt e Estalinegrado, e faz visitas guiadas aos campos de batalha da Frente Oriental.


Para mais informações sobre o livro clique aqui